sexta-feira, 29 de julho de 2016

"Lurdes e Catarina" são batizados em SJDR

13716096_957660087680385_5065702310268263729_nFoi realizado no último domingo, 24, a bênção solene do “Lourdes” e “Catarina”, novos sinos da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a mais antiga de São João del Rei. Os sinos foram adquiridos após a campanha chamada “Sentinela Sonora”, que mobilizou grupos sociais, ligados à igreja e ao patrimônio histórico. O maior dos dois sinos, “Lourdes”, pesa 600 quilos e ficará no campanário que estava vazio. Foi batido por ficar logo acima da gruta de Nossa Senhora de Lourdes, dentro da Igreja. “Catarina”, que pesa 400 quilos, será o quarto sino no outro campanário, junto de “Domingos”. “Após estudos foi determinado que as fissuras não comprometiam o sino, portanto, ele continua lá. Os nomes fazem referência a São Domingos e à Santa Catarina de Sena, os patriarcas da Ordem Dominicana. Estamos respeitando a tradição da cidade em batizar os sinos, que foi preservada ao longo do tempo”, disse Nélson Antunes. A mobilização reuniu o professor da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, André Guilherme Dornelles Dangelo; a Confraria do Rosário; a Associação dos Amigos de São João del- Rei; a Atitude Cultural; o Centro Cultural Feminino; a Paróquia do Pilar e o Museu de Arte Sacra. O grupo conseguiu o valor suficiente para encomendar os novos sinos. “Começamos a campanha a partir de sugestão do arquiteto André Dangelo de que fosse colocado um sino em um dos nossos campanários, que estava vazio. E na época, foi cogitada a substituição do “Domingos”, que apresentava algumas fissuras. Nós nos reunimos e fizemos uma campanha que teve resposta positiva, chegando a R$ 60 mil”, explicou Nélson Antunes, da Confraria da Igreja do Rosário. Após cotação de preços, Nélson Antunes explicou que a compra dos sinos “Lourdes” e “Catarina” foram feitas em Piracicaba (SP), receberam a pátina no Rio de Janeiro e a parte superior de madeira em uma oficina em Tiradentes (MG). “Eles chegaram a São João del Rei no início de julho e agora receberão a bênção para serem içados para as torres”, disse.
Fonte- http://diocesedesaojoaodelrei.com.br/

Dia 29 de julho - Memória de Santa Marta

É considerada em particular como patrona das cozinheiras e sua devoção teve início na época das Cruzadas.
Hoje lembramos a vida de Santa Marta, que tem seu testemunho gravado nas Sagradas Escrituras. Padres e teólogos encontram em Marta e sua irmã Maria, a figura da vida ativa (Marta) e contemplativa (Maria). O nome Marta vem do hebraico e significa “senhora”. No Evangelho, Santa Marta apresenta-se como modelo ativo de quem acolhe: “… Jesus entrou em uma aldeia e uma mulher chamada Marta o recebeu em sua casa” (Lc 10,38). Esta não foi a única vez, já que é comprovada a grande amizade do Senhor para com Marta e seus irmãos, a ponto de Jesus chorar e reviver o irmão Lázaro. A tradição nos diz que diante da perseguição dos judeus, Santa Marta, Maria e Lázaro, saíram de Bethânia e tiveram de ir para França, onde se dedicaram à evangelização. Santa Marta é considerada em particular como patrona das cozinheiras e sua devoção teve início na época das Cruzadas.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/

terça-feira, 26 de julho de 2016

Jovens, “apóstolos da misericórdia” - Por Dom Adelar Baruffi

Bispo de Cruz Alta

A “misericórdia”, palavra-chave do pontificado de Francisco e da vida cristã, será o tema da XXXI Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que acontecerá de 26 a 31 de julho, em Cracóvia. O tema é uma das bem-aventuranças, que se encontra no "Sermão da Montanha" narrado pelo evangelista Mateus: "Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia" (Mt 5,7). Este tema já foi preparado no caminho pós-JMJ Rio2013, quando o Papa convidou os jovens a meditarem as “bem-aventuranças”.No Rio de Janeiro, o Papa Francisco pediu aos jovens, “de todo coração”, que fizessem das bem-aventuranças um concreto programa de vida: “Olhe, leiam as Bem-Aventuranças, que lhe farão bem!” (cf. Encontro com os jovens argentinos na Catedral de São Sebastião, 25 de julho de 2013).Em 2014, o tema que conduziu as reflexões dos jovens foi: “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu” (Mt 5,3). Em 2015, por sua vez, o tema foi: “Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8).Assim, com este tema, a JMJ de Cracóvia insere-se no Ano Santo da Misericórdia e será um verdadeiro Jubileu dos Jovens a nível mundial. Em sua Mensagem para esta JMJ (15 de agosto de 2015), o Papa Francisco convidou os jovens a aprofundarem o sentido da misericórdia divina, que se manifesta sobretudo em Jesus Cristo: “Em Jesus, tudo fala de misericórdia. Mais ainda, Ele mesmo é a misericórdia.” Convida os jovens a meditarem as parábolas da misericórdia, no capítulo 15 do Evangelho de Lucas, da ovelha perdida, da moeda perdida e do pai misericordioso. Salienta a alegria de Deus ao encontrar o pecador arrependido.  O Pai nunca nos abandona ou nos esquece. Diz aos jovens que “a misericórdia de Deus é muito concreta, e todos somos chamados a fazer experiência dela pessoalmente.” Relata sua experiência pessoal da misericórdia, quando, aos dezessete anos, como jovem, no Sacramento da Reconciliação, pôde abrir o coração com humildade e transparência e, assim, “contemplar de forma muito concreta a misericórdia de Deus.” Dirige palavras diretas e de profundo significado existencial aos jovens: “E tu, caro jovem, cara jovem, já alguma vez sentiste pousar sobre ti este olhar de amor infinito que, para além de todos os teus pecados, limitações e fracassos, continua a confiar em ti e a olhar com esperança para a tua vida? Estás consciente do valor que tens diante de um Deus que, por amor, te deu tudo? Como nos ensina São Paulo, assim «Deus demonstra o seu amor para conosco: quando ainda éramos pecadores é que Cristo morreu por nós»(Rm 5, 8). Mas compreendemos verdadeiramente a força destas palavras?” Enfim, o Papa convida os jovens a serem instrumentos da misericórdia de Deus, serem misericordiosos, a serem “apóstolos da misericórdia”. “Sabemos que o Senhor nos amou primeiro. Mas só seremos verdadeiramente bem-aventurados, felizes, se entrarmos na lógica divina do dom, do amor gratuito, se descobrirmos que Deus nos amou infinitamente para nos tornar capazes de amar como Ele, sem medida.” A concretude deste caminho se dá na vivência das obras de misericórdia corporais e espirituais, apresentadas por Jesus na Parábola do Juízo Final (cf. Mt 25), pois “aqui está o critério de autenticidade do nosso ser discípulos de Jesus, da nossa credibilidade como cristãos no mundo de hoje.”  A síntese das palavras do Papa aos jovens poderia ser esta: “deixai-vos tocar pela sua misericórdia sem limites, a fim de, por vossa vez, vos tornardes apóstolos da misericórdia, através das obras, das palavras e da oração, neste nosso mundo ferido pelo egoísmo, o ódio e tanto desespero.”

Dia 26 de julho - Solenidade de São Joaquim e Sant'Ana


São Joaquim e Sant’Ana foram abençoados por Jesus com o nascimento da Virgem Maria.
Com alegria celebramos hoje a memória dos pais de Nossa Senhora: São Joaquim e Sant’Ana. Em hebraico, Ana exprime “graça” e Joaquim equivale a “Javé prepara ou fortalece”. Alguns escritos apócrifos narram a respeito da vida destes que foram os primeiros educadores da Virgem Santíssima. Também os Santos Padres e a Tradição testemunham que São Joaquim e Sant’Ana correspondem aos pais de Nossa Senhora. Sant’Ana teria nascido em Belém. São Joaquim na Galileia. Ambos eram estéreis. Mas, apesar de enfrentarem esta dificuldade, viviam uma vida de fé e de temor a Deus. O Senhor então os abençoou com o nascimento da Virgem Maria e, também segundo uma antiga tradição, São Joaquim e Sant’Ana já eram de idade avançada quando receberam esta graça. A menina Maria foi levada mais tarde pelos pais Joaquim e Ana para o Templo, onde foi educada, ficando aí até ao tempo do noivado com São José. A data do nascimento e morte de ambos não possuímos, mas sabemos que vivem no coração da Igreja e nesta são cultuados desde o século VI.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Distrito do Caburu saúda o padroeiro

Neste domingo, 24 de julho, a Comunidade do Caburu celebrou  seu padroeiro, São Gonçalo do Amarante , as celebrações em louvor ao santo se iniciaram no dia 14 de julho com as orações da piedosa novena, no dia 23, sábado, foi o dia consagrado ao Sagrado Coração de Jesus, as 5h30 houve alvorada e as 14horas foi celebrada a Santa Missa procedida de procissão as 17h30.
Já no domingo os festejos também teve inicio as 5h30 com alvorada, anunciando para a comunidade que havia chegado o grade dia de São Gonçalo. As 13horas com a igreja repleta de fiéis devotos , o pároco, Pader Ilton, celebrou o Santo Sacrifício da Missa e as 16h30 as imagens de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Sagrado Coração de Jesus e de São Gonçalo do Amarante tomaram as ruas do distrito com uma majestosa procissão abrilhantada pela Corporação Musical São Sebastião da Paróquia de São Sebastião de Santa Cruz de Minas, na chegada após a benção do Santíssimo Sacramento o Grupo de Congadeiros da Paróquia de São Gonçalo do Amarante de Ibituruna se apresentaram, e as 21h para bem encerrar as festividades, inúmeros fogos iluminaram o céu do pequeno distrito.

Texto e fotos- Emanuel Souza

Dia 25 de julho - Memória de São Tiago Maior

São Tiago foi o primeiro dentre os doze apóstolos a derramar o próprio sangue pela causa do Evangelho. Nascido em Betsaida, este apóstolo do Senhor era filho de Zebedeu e de Salomé e irmão do apóstolo João, o Evangelista. Pescador juntamente com seu irmão João, foi chamado por Jesus a ser discípulo d’Ele. Aceitou o chamado do Mestre e, deixando tudo, seguiu os passos do Senhor. Dentre os doze apóstolos, São Tiago foi um grande amigo de Nosso Senhor fazendo parte daquele grupo mais íntimo de Jesus (formado por Pedro, Tiago e João) testemunhando, assim, milagres e acontecimentos como a cura da sogra de Pedro, a Transfiguração de Jesus, entre outros. Procurou viver com fidelidade o seu discipulado. No entanto, foi somente após a vinda do Espírito Santo em Pentecostes que São Tiago correspondeu concretamente aos desígnios de Deus. No livro dos Atos dos Apóstolos, vemos o belo testemunho de São Tiago, o primeiro dentre os doze apóstolos a derramar o próprio sangue pela causa do Evangelho: “Por aquele tempo, o rei Herodes tomou medidas visando maltratar alguns membros da Igreja. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João” (At 12,1-2). Segundo uma tradição, antes de ser martirizado, São Tiago abraçou um carcereiro desejando-lhe “a Paz de Cristo”. Este gesto converteu o carcereiro que, assumindo a fé em Jesus, foi martirizado juntamente com o apóstolo. Existe ainda outra tradição sobre os lugares em que São Tiago passou, levando a Boa Nova do Reino. Dentre estes lugares, a Espanha onde, a partir do Século IX, teve início a devoção a São Tiago de Compostela.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/

sábado, 23 de julho de 2016

Dia 23 de julho - Memória da Beata Margarida Maria Maturana, Mercedária da Caridade

Nasceu em Bilbao em 25 de julho de 1884. Foi batizada com o nome de Pilar. Teve uma irmã gêmea, Leonor, com quem manteve toda a vida uma relação afetiva e espiritual muito intensa.
     Em 1901, seus pais decidiram mandá-la para o colégio interno das Monjas Mercedárias em Bérriz, pois queriam afastá-la de um noivo que eles não aceitavam. Depois de passar um ano e meio em Bérriz, regressou à casa paterna. O noivo voltou a visitá-la, mas tudo havia mudado... Em Bérriz Margarida descobrira que Deus a chamava para entregar toda sua vida a Jesus e aos demais.
     Seus familiares, acreditando ser mais uma de suas loucuras juvenis, lhe dizem que esperasse, que pensasse... Porém ela, firme e decidida, entrou no convento de Bérriz no ano seguinte. Aos 19 anos, no dia 10 de agosto de 1903, ingressou no Mosteiro de Clausura das Irmãs Mercedárias de Bérriz, tomando o nome de Margarida Maria. Poucos dias antes sua irmã Leonor havia ingressado no noviciado das Carmelitas da Caridade, Instituto fundado por Santa Joaquina Vedruna (Leonor morreu na Argentina em odor de santidade e já foi decretada a heroicidade de suas virtudes).
     Margarida se entregou a Deus desde o primeiro momento, numa fidelidade total em sua vida de monja de clausura. Em 1906, começou a trabalhar no colégio, onde permaneceu por mais de vinte anos. Duas características principais a distinguem: sua oração e sua caridade. Na vida de oração constante, fiel, em sua intimidade com o Senhor, sua caridade, sua vocação mercedária de redenção dos cativos se foi ampliando e alcançando novos e amplos horizontes. Foi aumentando o seu desejo de fazer chegar ao mundo inteiro a alegria que ela gozava na comunicação com Deus e o amor a Jesus Cristo que sentia crescer mais e mais em seu interior. Em 5 de maio de 1912 ela escrevia: “Eu não desejo senão dá-lo a conhecer aqueles que Ele me encomendou, que é o mundo inteiro”. Desde então seus desejos de abarcar o mundo inteiro foram dilatando, primeiro na oração e depois em seu trabalho com as alunas do colégio anexo ao mosteiro. Pelo ano de 1920, começou na Espanha um grande movimento missionário. Chegaram a Bérriz missionários vindos da China e das Ilhas do Pacífico, que traziam os ares de terras e povos também amados por Deus. Margarida vibrava com tudo isto. Sentia que Deus a chamava a fazer algo também a partir do seu convento de clausura.
     Naquele ano, com a aprovação da superiora, iniciou no colégio uma associação "Juventude Mercedária Missionária de Bérriz", primeira associação do gênero na Espanha, e através dela formou várias gerações de jovens no espírito missionário, que como religiosas ou como leigas souberam viver o ideal missionário aonde Deus as ia chamando. Com as alunas do colégio organizou rifas, cartas a missões e, em suas orações as necessidades destes povos que sofrem estavam sempre presentes. Todo este movimento do colégio contagiou as monjas e Margarida descobriu, com o apoio de todas elas, um novo chamado: “Ide por todo o mundo e proclamai a Boa Nova a toda a criação” (Mc. 15). O passo seguinte foi transformar o mosteiro de clausura em um Instituto Missionário , com o voto favorável das 94 monjas e com o consentimento da Santa Sé. O sonho de Irmã Margarida Maria se tornou realidade em 23 de maio de 1930: o Instituto das Mercedárias Missionárias de Na. Sra. das Mercês de Bérriz foi aprovado e abençoado pela Igreja, e no ano seguinte ela foi eleita a primeira superiora  do Instituto. Neste cargo completou duas voltas ao mundo para acompanhar as Irmãs que partiam para a missão, para visitá-las nas comunidades já em funcionamento, para seguir de perto o progresso da sua obra, que hoje conta com cerca de 600 Irmãs e 72 comunidades distribuídas nos vários continentes. O grande desejo de Madre Margarida Maria fora que o Instituto pudesse levar a Redenção libertadora até o fim do mundo, vivendo o quarto voto de permanecer na missão quando houvesse perigo de perder a vida. Ela deixou ao Instituto a herança de uma rica espiritualidade que alcançou o auge nos últimos anos de sua vida. Morreu no dia 23 de julho de 1934, dois dias antes de completar 50 anos, após uma cirurgia delicada de um mal incurável, prometendo às suas Irmãs ajudá-las do Céu.
Fonte- http://heroinasdacristandade.blogspot.com.br/