sexta-feira, 3 de julho de 2015

Dia 3 de julho - Solenidade de São Tomé Apóstolo


Embora na nossa memória a presença de são Tomé faça sempre pensar em incredulidade e nos lembre daqueles que "precisam ver para crer", sua importância não se resume a permitir a inclusão na Bíblia da dúvida humana. Ela nos remete, também, a outras fraquezas naturais do ser humano, como a aflição e a necessidade de clareza e pé no chão. Mas, e principalmente, mostra a aceitação dessas fraquezas por Deus e seu Filho no projeto de sua vinda para nossa salvação. São três as grandes passagens do apóstolo Tomé no livro sagrado. A primeira é quando Jesus é chamado para voltar à Judéia e acudir Lázaro. Seu grupo tenta impedir que se arrisque, pois havia ameaças dos inimigos e Jesus poderia ser apedrejado. Mas ele disse que iria assim mesmo e, aflito, Tomé intima os demais: "Então vamos também e morramos com ele!" Na segunda passagem, demonstra melancolia e incerteza. Jesus reuniu os discípulos no cenáculo e os avisou de que era chegada a hora do cumprimento das determinações de seu Pai. Falou com eles em tom de despedida, conclamando-os a segui-lo: "Para onde eu vou vocês sabem. E também sabem o caminho". Tomé queria mais detalhes, talvez até tentando convencer Jesus a evitar o sacrifício: "Se não sabemos para onde vais, como poderemos conhecer o caminho?". A resposta de Jesus passou para a história: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim".
E a terceira e definitiva passagem foi a que mais marcou a trajetória do apóstolo. Foi justamente quando todos lhe contaram que o Cristo havia ressuscitado, pois ele era o único que não estava presente ao evento. Tomé disse que só acreditaria se visse nas mãos do Cristo o lugar dos cravos e tocasse-lhe o peito dilacerado. A dúvida em pessoa, como se vê. Mas ele pôde comprovar tanto quanto quis, pois Jesus lhe apareceu e disse: "Põe o teu dedo aqui e vê minhas mãos!... Não sejas incrédulo, acredita!" Dessa forma, sua incredulidade tornou-se apenas mais uma prova dos fatos que mudaram a história da humanidade. O apóstolo Tomé ou Tomás, como também é chamado, tinha o apelido de Dídimo, que quer dizer "gêmeo e natural da Galiléia". Era pescador quando Jesus o encontrou e o admitiu entre seus discípulos. Após a crucificação e a ressurreição, pregou entre os medos e os partas, povos que habitavam a Pérsia. Há também indícios de que tenha levado o Evangelho à Índia, segundo as pistas encontradas por são Francisco Xavier no século XVI. Morreu martirizado com uma lança, segundo a antiga tradição cristã. Sua festa é comemorada em 3 de julho.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Utilidade Páblica - CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA NA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação, informa que na próxima sexta-feira, 03, haverá uma reunião para escolha de vagas para contratação temporária para o ano letivo de 2015.
É necessário que os interessados compareçam à Secretaria Municipal de Educação, Rua Salomão Batista de Souza, N° 10- 3° andar- Matosinhos, portando comprovante de habilitação para lecionar atualizado (APENAS PROFESSORES) e documento de identificação com foto no ato da reunião para eventuais dúvidas.
Local da reunião: Secretaria Municipal de Educação
Dia: 03 de Julho de 2015

Dia 2 de julho - Dia de São Bernardino Realino

Bernardino nasceu no dia 1º de dezembro de 1530, na rica e nobre família dos Realino, na ilha de Capri, em Nápoles. O jovem Bernardino aprofundou-se nas ciências humanísticas, estudando na academia de Modena e depois na Universidade de Bolonha, formando-se em filosofia, medicina, direito civil e eclesiástico. Com vinte e cinco anos de idade, enveredou por uma carreira administrativa sob a proteção do governador de Milão, um cardeal amigo pessoal de seu pai. Bernardino ocupou cargos importantes, social e politicamente. Foi prefeito de Felizzano de Monferrato, advogado fiscal em Alexandria, depois prefeito de Cassine, prefeito de Castel Leone e, finalmente, auditor e lugar-tenente de Nápoles. Todavia abandonou tudo, pois, quando doente, recebeu a aparição de Nossa Senhora carregando o Menino Jesus nos braços. Era o ano de 1564. Desde então, com a ajuda de um padre jesuíta que se tornou seu orientador espiritual, Bernardino assumiu definitivamente a vida religiosa. Aos trinta e cinco anos de idade, ele foi ordenado padre jesuíta. Além de continuar o trabalho social em favor dos pobres, que sempre realizara, tornou-se um perfeito pastor de almas: evangelizador e confessor. Possuindo o dom da cura e do conselho, era procurado por bispos e príncipes que desejavam sua iluminada orientação. O próprio papa Paulo V, assim como diversos soberanos, lhe escrevia, pedindo orações. Em 1574, foi enviado a Lecce para fundar um colégio jesuíta, onde exerceu o apostolado durante quarenta e dois anos. A sua atuação na comunidade foi tão vital para todos, que, quando estava no seu leito de morte, ele se viu cercado pelo Conselho Municipal, que pedia sua proteção eterna para a cidade. Equivale a dizer que estavam lhe pedindo ainda em vida que aceitasse ser o padroeiro daquela diocese, tal a sólida fama de sua santidade. Talvez um fato único já registrado pelos católicos. Isso porque santo protetor toda cidade escolhe um. Eleger um santo patrono antes mesmo de este ser canonizado também não é uma situação nova na história das comunidades cristãs. Mas pedir permissão pessoalmente a um homem para que aceite de viva voz ser o padroeiro de uma cidade, realmente, é um raro acontecimento na Igreja. Ele morreu aos oitenta e seis anos de idade, no dia 2 de julho de 1616, em Lecce. Cultuado em vida como santo, foi beatificado, em 1895, pelo papa Leão XIII e canonizado pelo papa Pio XII em 1947. São Bernardino Realino é o padroeiro das cidades de Lecce e Capri.
Fonte- http://diocesedecolatina.org.br/

Ir aos rebeldes - Por Dom José Alberto Moura

Arcebispo de Montes Claros (MG)

Nem sempre temos coragem de enfrentar críticas, oposições e situações conflitantes e problemáticas. Em nossas tarefas cotidianas, porém, surgem empecilhos que nos deixam perplexos e com vontade de desistir de continuar na missão e tarefas próprias de nossa condição de vida ou vocação. No entanto, é preciso sermos responsáveis para não deixarmos o barco da função ao léu. Muitos, para não perderem as vantagens do cargo, preferem ir pelo caminho da corrupção e não ter que fazer denúncia de quem lhes oferece propinas para não ser processado e perder o cargo. Isso acontece demais, principalmente na coisa pública. Até pessoas de aparência ética, de freqüência e atividade religiosa, eleita por essa sua comunidade, trai a mesma por interesse monetário e de cargos. Como fica sua consciência, se é que tem consciência e grandeza de caráter? Na Bíblia encontramos exemplos de missão dada por Deus a profetas, para irem aos rebeldes, por exemplo: “Filho do homem, eu te envio aos israelitas, nação de rebeldes, que se afastaram de mim. Eles e seus pais se revoltaram contra mim até o dia de hoje. A estes filhos de cabeça dura e coração de pedra vou te enviar” (Ezequiel 2,3-4). O profeta obedeceu e cumpriu sua árdua missão, apesar de ter sido perseguido. Sua tarefa de sentinela foi cumprida. Também isso acontece demais. Os que apresentam o que é justo, ético, conforme a dignidade humana, a verdade e o bem nem sempre são aceitos por quem vive só para o próprio egoísmo e buscando vantagens. Este último usa do lícito e do ilícito para sempre ganhar em aparência de prestígio e de bens materiais. Mas se diminui como pessoa humana, tornando-se desumana e sem moral. Ganha aparentemente, mas perde, de fato, em sua dignidade. A Bíblia até fala que vale mais a pouca riqueza de quem ganha honestamente do que a muita adquirida corruptamente! A tentação do desânimo às vezes surge em quem quer ser ético e ajudar a melhorar a situação de injustiças, principalmente na área política. Nesta, corruptos querem derrubar quem profeticamente defende o direito e o bem comum, com o uso do poder para servir o povo. Todo político eleito é empregado do povo e deve usar do cargo honestamente para realizar a promoção da boa educação, saúde, segurança, transporte e tudo o mais necessário para a vida digna de todos, a partir dos mais carentes. Não pode usar do cargo para roubar o que é do povo! Nessa situação, os bons às vezes se sentem sem forças para continuarem a acreditar que um mundo novo é possível, inclusive, no meio desses, os bons políticos, que “salvam o barraco”! O apóstolo Paulo, sentindo-se fraco, rogou a Deus, que lhe falou: “Basta-te a minha graça. Pois, é na fraqueza que a força se manifesta” (2 Coríntios 12,9). A força da graça divina dá coragem à pessoa do bem a perseverar na missão encetada. O próprio Jesus constatou que um profeta não é aceito em sua terra (Cf. Marcos 6, 4). Nem por isso Ele desanimou. Foi até o fim com a missão que o Pai lhe deu de salvar a humanidade, mesmo nela tendo os rebeldes e duros de coração. Quem não quer aceitá-Lo Ele não impõe, mas a pessoa não consegue a salvação. Esta vem de Deus, mas é preciso a pessoa aceitar. Quem quiser ir pelo caminho do precipício é bom que pense duas ou mais vezes. A corrupção, a desonestidade, a falta de caráter, o querer se fazer e ganhar a qualquer preço vai perceber, na hora da doença e da morte, que tudo não valeu a pena. Esta vida na terra é passageira. Vale a pena superar a rebeldia pessoa e se dobrar ao bem, ao ético e à necessidade de se viver com dignidade moral!

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Jovens saem em missão pelo Senhor dos Montes

 Neste mês de junho os jovens participantes do Grupo de Jovens e Adolescentes Resgate da Fé de nossa paróquia foram divididos em quatro subgrupos e foram encarregados da seguinte missão, "fazer alguma coisa beneficiária para o bairro". Cada grupo escolheu a sua ação em benefício do bairro.
 Um grupo fez visita a um enfermo, que com semblante de alegria agradeceu, um outro grupo coletou alimentos dentre os moradores do Senhor dos Montes e doaram à Sopa Nossa Senhora de Belém e outros dois grupos prestaram ajuda à Creche Risoleta Tolentino Neves na forma de doações(cesta básica e produtos de limpeza e banho).
 A satisfação demonstrada pelos que foram ajudados era recompensador segundo os missionários.

Entrevistas

"Que Deus recompense, e que vocês possam continuar ajudando aqui na Sopa, nós ficamos muito agradecidos, saibam que vocês sempre estarão em nossas orações."Palavras de dona Lurdes de Souza
Acompanhe a declaração da coordenadora do Grupo de Jovens, Natália Regina: "Fiquei muito feliz com cada missão de cada grupo, pois aos poucos estamos resgatando muitos jovens, eles estão seguindo os passos de Jesus cada dia mais. Agradeço pela dedicação de cada jovem em cumprir sua missão, a responsabilidade, a união e o mas importante que devemos ir atrás daquele que necessitam de nossa ajuda.



Texto- Emanuel Souza
Fotos- Natália Regina

Papa Francisco visitará três países da América Latina

“O meu desejo é de estar convosco para partilhar as vossas preocupações, manifestar o meu afeto e proximidade e alegrar-me convosco”, expressou o papa Francisco em vídeo-mensagem sobre viagem que fará à América Latina.

De 5 a 12 de julho, o pontífice iniciará a nona viagem internacional e a primeira visita a países de seu idioma. Francisco passará pelo Equador, Bolívia e Paraguai. “Nestes dias que precedem o nosso encontro dou graças a Deus por vós e peço-lhe que sejais perseverantes na fé, que tenhais o fogo do amor, da caridade, e que sejais firmes na esperança que nunca desilude”, disse o papa.
Na mensagem, o papa Francisco pediu orações para que o anúncio do Evangelho chegue às periferias mais distantes, em vista da construção do Reino de Deus. Ao final de sua fala, o pontífice invocou a proteção da Virgem Maria, Mãe da América, para que o Senhor abençoe a todos.
Durante a semana de visitas, o papa Francisco presidirá cinco missas, fará 22 discursos e se encontrará com os presidentes dos três países, bispos, sacerdotes, consagrados e representantes da sociedade civil. No Equador, o papa terá encontro com idosos. Já na Bolívia, se reunirá com detentos e movimentos populares e, no Paraguai, com crianças, pobres e jovens.
Com informações e foto do News.va

Vicentinos recebem visita ilustre

Na noite da última terça feira, a Conferência Senhor Bom Jesus do Monte, ligado a Sociedade São Vicente de Paulo, receberam a visita da relíquia de São Vicente de Paulo. As 19horas os confrades e consorcias se reuniram no salão da conferência para a recitação do Santo Terço meditando as virtudes do missionário dos pobres, em seguida seguiram as orações em louvor de São Vicente.

A Sociedade São Vicente de Paulo

A busca pela Santificação Pessoal motivou Ozanam e seus companheiros a fundar a Sociedade de São Vicente de Paulo. Prestar serviços aos que estiverem em dificuldades e levá-los a Deus sempre que possível é uma missão que faz parte do dia a dia dos vicentinos. A maior preocupação de Ozanam era o aprimoramento espiritual de seus participantes, sendo os assistidos os providenciais meios que Deus nos deu para isso. Frederico Ozanam deixa como exemplo que o vicentino deve insistir na promoção integral do assistido, orientando-o no plano material, mas muito mais no plano espiritual, para levá-lo a participação no Reino de Deus. Dessa forma, os vicentinos devem estar sempre buscando orientações e atualizando-se nas modernas maneiras de assistir os homens de nossos dias, em suas misérias. Para que a caridade seja organizada, surgiram as Conferencias Vicentinas: grupos de pessoas, formadas, de no máximo, 15 (quinze) membros. É por meio de reuniões semanais que os voluntários planejam o atendimento as famílias necessitadas e dividem a equipe para a realização de visitas aos assistidos. Uma forma de estar mais próximo dos pobres, e propor novas soluções para amenizar as desigualdades sociais.(Com informações de http://www.ssvpbrasil.org.br/)





Texto e fotos- Emanuel Souza

terça-feira, 30 de junho de 2015

Clero Diocesano entra em retiro

Promover uma pausa conjunta para reflexões, orações, aprendizados e convivência fraterna entre bispo e sacerdotes. É este o objetivo do retiro anual do clero diocesano de São João del-Rei iniciado na última segunda-feira, 29, em Cachoeira do Campo, região de Ouro Preto.
168842_329109460508807_743855330_n
Na programação estão previstos momentos de oração, silêncio e partilha, além da celebração eucarística, via sacra e confissão. Para as partes de formação, os sacerdotes acompanharam palestras conduzidas por Dom Paulo Roberto Beloto, bispo de Franca, São Paulo.

Para os momentos marianos, uma participação especial: a imagem peregrina de Aparecida. Após percorrer as 40 Paróquias da Diocese, a imagem fac-símile encerra sua visita no retiro do clero, uma oportunidade de recordar as belas demonstrações de fé vivenciadas nos dois últimos meses.
575411_329111767175243_1634771850_n
Segundo o bispo de São João del-Rei, Dom Célio de Oliveira Goulart, o retiro é uma oportunidade de avaliar a caminhada sacerdotal, a vida espiritual e o empenho do padre diante dos compromissos da Igreja. Direcionado aos padres diocesanos o evento é um convite, também, aos sacerdotes religiosos que atuam na Diocese, é o que nos explica Dom Célio: “Mesmo sendo destinado aos padres diocesanos, sempre faço o convite para os religiosos participarem, afinal, eles já participam de retiros propostos por suas respectivas congregações, mas, participando deste, há a possibilidade de uma maior integração entre os padres de nossa Igreja Diocesana”.

O retiro se estende até a próxima quinta-feira, 02. Por ocasião do evento, muitas Paróquias não estão podendo cumprir com sua tradicional programação semanal.

Dia 30 de junho - Solenidade dos Protomártires da Santa Igreja de Roma


Os primeiros mártires romanos, martirizados em Roma em 64 durante o reinado de Nero, ao lado da comunidade hebraica florescente e respeitada (Popéia, a mulher de Nero, era judia), vivia a exígua e pacífica comunidade cristã guiada pelo príncipe dos apóstolos. Por que Nero perseguiu os cristãos com tanta ferocidade? O historiador Cornélio Tácito nos oferece a explicação: “Visto que circulavam boatos de que o incêndio de Roma havia sido doloso, Nero apresentou-os como culpados, punindo com penas requintadíssimas aqueles que, obstinados por suas abominações, eram chamados pelo vulgo de cristãos”. Quais fossem suas culpas nós o sabemos muito bem: reuniam-se nas noites de sábado para celebrar a eucaristia, na qual se fala de corpo e sangue de Cristo dado como alimento aos fiéis. O Martirológio romano diz: 
“Em Roma, celebra-se o natal de muitíssimos santos mártires que, sob o império de Nero, foram falsamente acusados do incêndio da cidade e por sua ordem foram mortos de vários modos atrozes: alguns foram cobertos com pêlos de animais selvagens e lançados aos cães para que os fizessem em pedaços; outros, crucificados e, ao declinar do dia, usados como tocha para iluminar a noite. Todos eram discípulos dos apóstolos e foram os primeiros mártires que a santa Igreja romana enviou a seu Senhor antes da morte dos apóstolos”. A ferocidade com a qual Nero golpeou os inocentes cristãos (o incêndio tinha sido provocado por sua ordem com o fim de reconstruir Roma com base num grandioso projeto) não encontra obviamente a justificação do supremo interesse do império. Aqueles pacíficos crentes em Cristo não constituíam ameaça. A selvageria usada contra eles foi tal que provocou horror e piedade nos próprios espectadores do circo. “Agora se manifestou piedade”, escreve ainda Tácito, “mesmo se tratando de gente merecedora dos mais exemplares castigos, porque se via que eram eliminados não para o bem público, mas para satisfazer a crueldade de um indivíduo.” 
A perseguição durou três anos, e seu exórdio teve o mais ilustre dos mártires: Pedro. A conclusão foi assinalada pela decapitação de São Paulo.
Fonte- http://diocesedecolatina.org.br/